Cientistas criam sensor quântico com átomos super sensíveis

23/03/2020


Cientistas do exército norte-americano desenvolveram um sensor quântico que pode ser capaz de detectar sinais de comunicação em todo um espectro de radiofrequência de 0 a 100 GHZ.

Atualmente, a cobertura de um espectro tão extenso demandaria uma combinação de várias antenas individuais, amplificadores e outros componentes. A nova tecnologia promete possibilitar que soldados em combate transportem um único aparelho, mais eficiente e quase "indetectável", para interceptar mensagens.

O sensor quântico começou a ser elaborado em 2018, quando os cientistas conseguiram pela primeira vez usar átomos super sensíveis, conhecidos como átomos de Rydberg, para detectar sinais de comunicação.

Desde então, os integrantes do projeto se dedicam a calcular a capacidade dessa tecnologia por meio de experimentos laboratoriais. Para isso, foi feita uma análise da sensibilidade dos átomos de Rydberg em campos elétricos com alcance de frequência de 0 a 1 trilhão de Hertz.

"Átomos de Rydberg são conhecidos por serem muito sensíveis, mas uma descrição quantitativa dessa sensibilidade em todo um alcance operacional [no espectro de uma radiofrequência, por exemplo], nunca foi feita", disse o cientista da forças armadas americanas David Meyer ao Phys.Org.

Os resultados apontaram que o sensor Rydberg pode detectar os sinais em todo o espectro dentro deste alcance, superando outras tecnologias como de cristais ópticos elétricos.

"Esse resultado é um importante passo para entender como essa tecnologia pode ser usada em campo", diz Meyer.

O desafio dos cientistas da forças armadas americanas agora é investigar novos métodos para aprimorar mais ainda a sensibilidade desses sensores, de modo a detectar sinais mais discretos na rede, bem como expandir o monitoramento a outras formas de onda.

Fonte: Olhar Digital - 23/03/2020